Caminho dos Santuários pretende movimentar Porto Alegre

Trajeto a ser percorrido pelos peregrinos.

Caminhar pelas ruas da Cidade, fomentar a ocupação dos espaços públicos, oferecer opções de lazer aos porto-alegrenses e incentivar o turismo religioso é o que propõe a 1a edição do Caminho dos Santuários, que será realizada no dia 20 de outubro. Inspirado no Caminho de Porto Alegre, o Caminho dos Santuários possui um trajeto de 10 km, entre os santuários de Nossa Senhora do Trabalho e de Nossa Senhora de Fátima. Durante o percurso, os peregrinos poderão conhecer as igrejas São Vicente de Paulo, Imaculado Coração de Maria, Santa Bárbara e Madre Teresa de Calcutá, além de contemplar os parques e praças da região.

As inscrições são gratuitas e poderão ser feitas pelo site  https://acasargs.com.br/evento/caminho-dos-santuarios/ . Os 300 primeiros inscritos receberão o kit peregrino com camiseta e certificado impresso. Os demais inscritos receberão o certificado por e-mail.

O Caminho inicia às 07h com a retirada do kit peregrino, alongamento e benção de envio no Santuário Nossa Senhora do Trabalho. Haverá recepção e visita guiada em todas as igrejas do percurso e o encerramento será as 11h com missa de chegada presidida pelo bispo auxiliar de Porto Alegre, Dom Leomar Brustolin. Após a celebração será tirada a foto oficial do evento.

A caminhada turístico-religiosa é organizada pelas igrejas do trajeto com o apoio da Frente Parlamentar do Turismo da Câmara Municipal (FRENTUR), presidida pelo Vereador João Carlos Nedel, da Associação dos Amigos do Caminho de Santiago de Compostela do Rio Grande do Sul (ACASARGS) e da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico. A Rede de Escolas São Francisco, os Santuários de Fátima e do Trabalho e o Asun são parceiros do evento.

Anúncios

Procempa melhora gestão e diminui custos operacionais

Foto: CMPA

Na reunião da Comissão de Economia (Cefor) da Câmara desta terça-feira, 02 de outubro, a Procempa apresentou seu balanço financeiro e as perspectivas para o futuro da Companhia. O presidente, Paulo Miranda, expôs que foi diminuído em 3,83% a receita operacional de 2016 para 2017 graças às revisões nos serviços prestados à Prefeitura. Da mesma forma, os custos caíram 5,09%, passando de R$ 91 milhões, em 2016, para R$ 80 milhões, em 2017.

Questionei sobre o cercamento eletrônico e fui informado sobre as ações que estão sendo realizadas, como a criação do aplicativo Hórus, que permite que policiais fotografem e identifiquem veículos irregulares nas vias da Cidade, e a conversão das câmeras das lombadas eletrônicas para a identificação das placas e posterior consulta do veículo na base de dados do Detran. Com esse sistema, foram localizados 18 mil veículos com problemas de licenciamento, mais de 100 carros roubados e 17 clonados.

A Procempa é responsável pelos sistemas da área da saúde e de arrecadação da Secretaria da Fazenda, por manter os serviços de email e sites das secretarias e demais órgãos da prefeitura, redes de wi-fi municipais, câmeras de segurança e pela gestão dos aplicativos da Administração. Ao todo, são 1417 rádios, oito mil telefones e mais de 200 câmeras sob o comando da Companhia.

Nos dias 16 e 23 de outubro, DMAE e EPTC comparecerão à Cefor para apresentar seus balanços financeiros.

Prefeitura continua com déficit, mas melhora na comparação com 2017

Os atuais problemas financeiros da Prefeitura são causados, principalmente, pelo déficit da Previdência Municipal, hoje em R$ 530 milhões, pelo crescimento da folha de pagamento dos servidores, na ordem de R$ 90 milhões ao ano, e pela cobrança defasada do IPTU, cuja Planta de Valores não é atualizada há 27 anos. Esses dados foram expostos pelo Secretário Municipal da Fazenda, Leonardo Busatto, em reunião da Comissão de Economia, Finanças, Orçamento e do Mercosul (CEFOR) da Câmara Municipal, durante a apresentação do relatório do 2º quadrimestre de 2018.

De maio a agosto deste ano, as receitas e despesas de Porto Alegre foram de R$ 4.167 bilhões e R$ 4.275 bilhões, respectivamente, sendo que mais da metade dos gastos é com pagamento de servidores, no total de R$ 2.757 bilhões. Em comparação com o mesmo período do ano passado, as despesas diminuíram em 4,8% e as receitas aumentaram 0,89%.

Mesmo com o déficit de R$ 108 milhões, foram investidos 26,75% em Educação e 17,39% na Saúde, valores acima dos estipulados por lei, que são de 25% e 15%. Os maiores gastos da Administração foram com Saúde, Previdência Social e saneamento.

O resultado pode ser considerado positivo, pois a Prefeitura diminuiu o déficit previsto para esse ano. No entanto, os investimentos, ou seja, as melhorias na Cidade ou nos serviços oferecidos, somaram R$ 147.399 milhões, o que é pouco perto das demandas da Cidade. Isso reforça a necessidade dos vereadores aprovarem as medidas encaminhadas pelo Executivo que preveem a diminuição das despesas e o aumento da arrecadação, mesmo que para isso sejam necessárias medidas mais austeras. Esse é o único caminho para melhorar a situação financeira do Município.

Retorno das obras na Av. Ernesto Neugebauer

Foto: CMPA

Aprovamos, na sessão desta segunda-feira, 24/09, o projeto de lei que remaneja os recursos das obras da Copa de 2014, transferindo o montante referente à instalação dos BRTs para a finalização das obras na Avenida Ernesto Neugebauer. Os demais recursos obtidos com a Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e BNDES não serão alterados. Como é um remanejamento, não haverá acréscimo nos valores aprovados para as obras da Copa.

Esta é uma vitória importante para a Cidade porque a ampliação da Ernesto Neugebauer irá desafogar o trânsito na saída e entrada de Porto Alegre, além de possibilitar a duplicação da A.J.Renner, que é uma contrapartida da OAS, pela construção da Arena do Grêmio.

O projeto foi enviado pelo Executivo em regime de urgência e aprovado com o voto de 23 vereadores.

Município economiza R$ 27 milhões com o auxílio do OSPOA

O Observatório Social de Porto Alegre (OSPOA) ajudou a Prefeitura a economizar, de maio a agosto de 2018, R$ 27.647.618,10 milhões através do acompanhamento das licitações municipais. Os dados foram apresentados na Comissão de Economia, Finanças, Orçamento e do Mercosul (CEFOR), durante a apresentação do relatório do 2º quadrimestre de 2018.

Nesse período, vinte e um voluntários despenderam 292 horas no monitoramento das contas municipais e na execução de projetos de Educação Fiscal e de combate à corrupção. Com o auxílio do OSPOA já foram economizados, em 2018, cerca de R$ 50 milhões, em 2017 o valor foi de R$ 60 milhões e, em 2016, de R$ 329 milhões.

Como membro da Cefor, acompanho há algum tempo o trabalho desenvolvido pelo Observatório e só tenho a agradecer pela dedicação e pelo zelo dos seus voluntários em cuidar do que é nosso, do que é público.

Observatório Social de Porto Alegre

Formado por voluntários, o OSPOA atua de forma preventiva, antes que os recursos sejam gastos, acompanhando as licitações realizadas pela Prefeitura. Quando há alguma ilegalidade, eles entram em contato com a Administração Municipal e sugerem mudanças. O Observatório está presente em 16 estados e em mais de 136 municípios, sendo 15 no Rio Grande do Sul.

Quanto vale a tua vida?

Temos uma grande dificuldade em falar sobre a morte. Ou o nosso problema seria refletir sobre a vida? Quando uma pessoa morre falamos que “perdemos” alguém. Mas usamos o termo perda porque não poderemos mais conviver com aquela pessoa ou porque não teremos mais a oportunidade de compartilhar os momentos que sempre deixávamos para “amanhã”?

Quantos sorrisos, abraços, conversas, jantares, encontros são deixados de lado pelos compromissos que atropelam nosso dia e nos fazem pensar que 24 horas é pouco tempo. Pouco tempo para fazer tudo o que “temos” que fazer. E nesse ritmo, a vida vira rotina, os detalhes passam despercebidos e esquecemos de Amar. Nossa cabeça está sempre em outro lugar ou em outro tempo. Todos presos em seus mundos, perdidos dentro dos próprios problemas.  E a vida passa. Quando vê, acaba. E a gente deixou de agradecer, sonhar, lutar, viver.

Isso é perder uma vida. Morrer não é.

A morte de uma pessoa querida é sempre muito difícil. Pense nas pessoas próximas a ti que já faleceram. A saudade sempre vai doer, a falta faz parte, mas as boas lembranças irão prevalecer. Agora, reflita. Esses bons momentos poderiam nem existir se a gravidez desta pessoa tivesse sido interrompida. Eu poderia nem estar aqui assim como você, talvez, também não estivesse.

As discussões sobre a legalização do aborto mostram que está se tentando definir o destino de outra pessoa, pois o feto já é uma vida. Muitas mulheres morrem abortando, muitas famílias têm inúmeros filhos mesmo sem ter condições de cuidá-los. Isso é, principalmente, problema de Educação e Saúde pública. Porém, a solução não está em matar a consequência, mas em tratar a causa. Aumentar a divulgação de informações, trabalhar nas comunidades mais carentes e ter um plano para evitar a gravidez inesperada. E assim, não se salva uma vida, mas duas.

E podemos salvar muitas mais. Não só da morte do corpo, mas também da alma. Começando por dar um sentido a sua vida, prezar pela qualidade de vida, aproveitar os momentos que estamos com as pessoas que amamos e sorrindo.

É fácil? Não. Mas é possível. Depende de cada um de nós. Pois, um dia sem sorrir é um dia perdido. Um dia que não foi vivido.

Diretrizes para o Orçamento de 2019 são discutidas na Cefor

A Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2019, que indica como será gasto o orçamento do Município, prevê um déficit de R$ 1,164 bilhão, 64,4% maior do que o projetado para o ano de 2018. A diferença, na grande parte, está no incremento dos serviços que serão prestados para Porto Alegre, como urbanização e reurbanização de praças, aquisição de insumos e equipamentos para a Saúde, conserto e sinalização de vias, construção de novas creches, expansão e melhorias nas casas de bomba e a ampliação e reforma de unidades recreativas.

Esses dados foram apresentados pelos secretários municipais da Fazenda, Leonardo Busatto, e de Planejamento e Gestão, Paulo de Tarso Pinheiro Machado na reunião da Comissão de Economia, Finanças, Orçamento e do Mercosul (CEFOR).

Os “investimentos extras” projetados pela Prefeitura ainda são pouco perto das demandas da Cidade. O que demonstra que a situação financeira está complicada e que são necessários esforços do Executivo e do Legislativo para reduzir as despesas e aumentar as receitas. Porque em um Município que está em crise, quem mais sofre é o cidadão.